Revolução da Energia Renovável da América Latina


0

Durante séculos, os recursos naturais da América Latina ajudaram a mover a economia mundial. Dos galões de prata que financiaram o Império espanhol às exportações de ferro e cobre que estão reconstruindo a China, os recursos naturais da América Latina têm sido vendidos em todo o mundo.

Mas agora o crescimento das energias renováveis ​​em toda a região está criando um novo fenômeno econômico – explorando esses recursos naturais para o crescimento doméstico.

Nos últimos anos, a América Latina fez grandes avanços na exploração de seus incríveis recursos de energia eólica, solar, geotérmica e de biocombustíveis. Está agora à frente de uma revolução energética que irá remodelar a região e criar uma série de oportunidades de negócios.

Para investigar as mudanças que aconteceram, a Canning House ajudou a organizar a recente Cúpula das Finanças Verdes em Londres e encomendou um Papel Canning da Latin News.

Apego ao petróleo

No momento, a América Latina ainda é muito dependente de outro dos seus recursos naturais – o petróleo. De acordo com a BP’s Statistical Review, a América Latina responde por mais de 20% das reservas mundiais de petróleo, tornando-se a segunda região petrolífera mais importante do mundo, o que, provavelmente, é o motivo pelo qual depende muito das coisas. O petróleo representou 46% do fornecimento total de energia primária (TPES) da região em 2013, muito acima da média global de 31%.

Quando se trata de transporte, é provável que o combustível a base de óleo mantenha a pole position por algum tempo. Os carros elétricos e os híbridos foram lentos para ter um impacto global, e na América Latina eles são raramente presentes.

O Brasil fez avanços impressionantes com alternativas de etanol, mas o petróleo e seus derivados continuam a ser a escolha número um. Além disso, a frota de transporte desatualizada da América Latina, que é fortemente composta por eléctrodos dos Estados Unidos ou modelos mais antigos produzidos localmente, permanecerá atrás da curva em qualquer transição para veículos elétricos pelo menos pelo médio prazo.

Ativando

Mas o setor elétrico da América Latina já começou a se libertar de sua dependência de petróleo. De acordo com o Banco Interamericano, espera-se que a América Latina quase dobre sua produção de eletricidade entre 2015 e 2040 e precisará de mais 1.500 terawatts-hora (TWh) de poder.

Essa é uma quantidade enorme – o suficiente para alimentar toda a rede elétrica do Reino Unido por cinco anos. Praticamente nenhuma das novas usinas de grande escala da América Latina será alimentada a óleo, o que abre o campo para diferentes tecnologias.

Os países da América Central e do Caribe, que tradicionalmente importaram o petróleo, foram os primeiros a se afastar das usinas à base de óleo, depois de sofrer uma década de preços altos e voláteis no início do século.

Em alguns casos, como a República Dominicana, isso significou uma mudança para o carvão, que representa 5% da TPES da América Latina e do Caribe. No entanto, as crescentes objeções ambientais significam que novas plataformas de carvão provavelmente não serão adotadas por muitos países latino-americanos no futuro.


Gostou? Compartilhe com seus amigos!

0

Deixe Seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.